sábado, 22 de março de 2014

sexta-feira, 21 de março de 2014

272ª

Às vezes o que magoa não é o que se diz, é o que fica por dizer...

domingo, 9 de março de 2014

271ª

Não sabes como te sentes não é? Nostalgia de alguns momentos, medo de outros. Sentes fome, mas não tens vontade de comer. Sentes a falta mas não admites. Sentes-te triste mas não falas. Falas em solidão e ficas só de repente. Fala-se de amigos/as e sentes que às vezes parece que não tens nenhum.. Descobres que companhia às vezes é precisa mas nem sempre há. A sós com a solidão, pensas tu. Mentalizas-te que não tens ninguém que te ame como tu és capaz de amar os outros. Dói quando o carinho é preciso mas não tens. Desprezas a companhia de toda a gente em certos momentos porque preferes o fone discreto no ouvido, preferes o barulho do silêncio imundo no teu quarto. O barulho do silêncio? Pois, o silêncio incomoda almas desarrumadas. Corrói cabeças com mil e umas ideias por realizar.. O silêncio é poderoso, e, muitas vezes quando vem à deriva é como quem fica sem aplausos no fim de uma grande peça ou concerto, magoa, mas dá respostas. Tens de ser forte, tens de equilibrar a balança, tens de retomar o sentido da vida, retoma à felicidade.

Local habitual

Vazio, sem frio
Não tenhas agenda,
faz planos.

Sopra contra o vento

Não tenhas pressa
A lareira ainda está acesa.
És novo, és jovem..
És nova, és jovem..

Continua por aí

Enquanto a lareira 
não se apagar
És tu que tens de te relembrar,
a vida é curta.

E agora vais equilibrar as coisas ou deixar que a lareira apague e acabes apenas a relembrar o que as cinzas foram? 

Boa sorte :)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

270ª

Sexta feira pela madrugada... O telefone toca e o coração dispara. O silêncio desaparece na batida da música intensa. Era apenas uma amiga a perguntar como estavas sem se preocupar com o resto. Amigos são isto não importa quanto tempo passe se ainda te ligarem e ainda estiverem presentes na tua vida. Mas, a história muda de figura quando percebes que tens um/uma amigo/a que não queres que seja só teu/tua amigo/a. Queres passar o resto da tua vida ao lado dele/a.
Diz a essa pessoa o quanto ela é importante para ti não esperes por amanhã, pode não vir.
Não tenhas medo, o ser humano arrisca, falha, magoa, desilude, arrepende-se, importa-se, ama, briga, entre muitas outras coisas.
Como é que te sentes quando ouves aquela música? Sentes saudades de como tudo era belo, e agora, nem cor têm os teus sapatos...
Nem sempre há dores fáceis de suportar. Por vezes sentem-se vazios quase iguais à morte. Sabem porquê? A presença era insubstituível e de repente não se tem mais nada senão.. Silêncio..
Não há rancor, não, há sorrisos? Há memórias que por mais pequenas que sejam faz bem lembrar como faz mal, por ter acabado. Há medo? Há, o ser o humano é o ser que apresenta mais medo, (irónico porque antes disse para não teres medo), há medo que o coração não se habitue à ausência. Ausência, palavra tão forte esta.. Certamente tens a lágrima no canto do olho como eu tive, mas olha, lembra-te, fizeste o que tiveste a fazer enquanto pudeste. Talvez amanhã encontres na rua quem não vias há muito tempo e soltes uma gargalhada sincera com essa pessoa. Se mesmo assim só permaneceres feliz durante breves segundos, não faz mal.. Ao menos conseguiste sorrir :)

Não te importes se o tempo demora a passar
às vezes temos que nos lembrar 
de como fomos felizes.

Queria dizer-te que não estás sozinho/a
Sai à rua e faz o teu caminho.

Há ruas estreitas, cuidado..
Há estradas sem saída, atenção..
Há curvas apertadas, tem cautela..
Há uma vida paralela..

Nós sabemos que dói,
não deixa de doer.
Chora..
Não tens nada que temer.
Fizeste o que tinhas a fazer.

Amanhã é outro dia,
sorria
Acorda, são horas.
Deixa-te de demoras.
VIVE ENQUANTO HÁ TEMPO, SOBREVIVE ATÉ PODERES/CONSEGUIRES.

sábado, 21 de dezembro de 2013

269ª

Nunca te esqueças de como começou e não esperes o fim.. Quando ele chegar chegou, e aí despede-te, não com rancor, mas sim com o sorriso porque foi assim que viveste, sorrindo..

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

268ª

Adolescente que é adolescente, já viu o seu mundo cair sem saber por onde pegar. Sem saber que mão segurar, ou nem se quer ter nenhuma mão para segurar. Adolescente já viveu terrores com amigas/os..
Já se sentiu, inútil e com vontade de morrer, já chorou numa aula por ver o/a seu/sua príncipe/princesa escapar por entre os dedos sem saber o que fazer. Já amou quem nunca devia ter amado, já virou as costas a quem nunca quis fazer tal coisa, mas foi necessário.. Necessário não, era preciso, era o melhor. Já se arrependeu de mil e uma coisas mas agora pensa baixinho, "Se não tivesse sido assim, hoje, de certeza, não estaria aqui, onde estou, como estou, com quem estou". Faz algum sentido, não faz? Eu sei..
Já pensaste que os erros foram necessários para o teu sucesso? Não? Então pensa. Seria totalmente diferente se não tivesses seguido um caminho, se tivesses preferido ir por uma rua mais estreita e não uma iluminada. Seria diferente se não aparecesses naquele momento numa festa, numa rua, num estacionamento, numa loja, talvez não tivesses visto quem desejavas ver há tempos.. Seria diferente se fosses outra pessoa?  Claro que seria, mas foi assim e o que tens de fazer é aceitar, viver! Estaria a ser diferente se não tivesses nascido? Estaria, mas nem tu sequer estarias a ver a diferença. Às vezes precisamos de ver as diferenças para construir as igualdades. De vez em quando é preciso subir ao céu, sonhar e ver que nem tudo são estrelas, nem em todos os dias há céu limpo, por vezes, ocorre chuva sem perceberes porquê, dizem que é o céu que está triste mas sinceramente isso era aquilo que a tua mãe te dizia mas nunca foi capaz de explicar. Não há porquê, simplesmente teve de ser assim, tinha de ser assim, estava planeado para acontecer assim, naquele dia, naquela hora, naquele sítio...  Hoje lembra-te que há imensas estrelas no céu e tu escolhes sempre uma diferente, não é por mal, apenas porque procuras alguém especial para te iluminar no dia seguinte.. As estrelas observam-te mas o sol guia-te. 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013